Calmtainment: o que é essa tendência de mercado?

Trend | 14 07 2021

O que você tem feito pela sua saúde mental?

Se você se sente ansioso e inquieto com frequência, saiba que você não está sozinho nessa. De acordo com a OMS, a ansiedade atinge cerca de 3,6% da população mundial atualmente. Nos últimos 15 anos, tivemos um aumento expressivo no surgimento de transtornos ligados à saúde mental. E adivinha qual país lidera esse ranking? 

Bom, acertou quem disse que é o Brasil. Atualmente, quase 10% da população do nosso país sofre de algum sintoma ligado à ansiedade, o que é um número bastante assustador. Desde o início da pandemia, explodiram relatos de crises de ansiedade, stress, burnout e outros transtornos. De acordo com uma pesquisa realizada pela MindMiners, cerca de 60% das pessoas entrevistadas se declararam ansiosas e os sintomas mais citados por elas foram insônia, nervosismo, suor, medo e dores. E no meio de uma sociedade cada vez mais conectada, onde 87% das pessoas acessam as redes sociais antes de dormir e 47% durante as refeições, como definir o limite entre o saudável e o prejudicial?

CONTRA A MARÉ

Você provavelmente deve passar uma boa parcela do seu tempo conectado às redes sociais, certo? Durante a pandemia, o nosso tempo em frente às telas – seja da TV, do computador ou do celular – aumentou consideravelmente. A verdade é que a facilidade de acesso às informações na palma da nossa mão é uma chamada tentadora para ficarmos continuamente conectados. E, como consequência, diversos problemas da pós-modernidade surgiram para acompanhar esse excesso de conectividade. Mas convenhamos: tudo que é excessivo tende a enjoar em algum momento

Talvez você já tenha ouvido falar sobre o FOMO – fear of missing outconhecido como o medo de estar perdendo alguma novidade durante as escassas horas desconectado da Internet. Mas é possível que ainda não conheça o JOMO – joy of missing out, movimento que vai justamente na contramão dessa hiperconectividade e que tem levado cada vez mais pessoas a se desconectarem das redes sociais. 

A verdade é que, por mais que a gente queira desapegar do uso excessivo dos dispositivos eletrônicos, é praticamente impossível estar 100% desconectado hoje em dia, principalmente durante um período em que estamos mais isolados (ou deveríamos estar) devido à pandemia de Covid-19. 

ENTRETENIMENTO E SAÚDE MENTAL 

Percebendo a necessidade cada vez maior das pessoas de desacelerar o ritmo e com a busca por temas ligados ao bem-estar em alta, a indústria do entretenimento encontrou aí uma oportunidade de mercado promissora. Assim surgiu o Calmtainment, apontado pela Wunderman Thompson como uma das grandes tendências de consumo para esse ano em seu report Future 100. As empresas têm apostado em conteúdos que estimulem a calma, o relaxamento e o bem-estar através de plataformas e vídeos de meditação, mindfulness e autocuidado. 

Para se ter uma ideia do potencial que essa indústria oferece, a Wunderman Thompson aponta que o Headspace Guide to Meditation, uma série animada que oferece meditações guiadas e que está disponível na Netflix, arrecadou 100 milhões de dólares em 2020 e o aplicativo de meditação Calm foi avaliado em 2 bilhões de dólares no ano passado. O aplicativo, aliás, fechou uma parceria com a HBO Max para lançar uma série chamada A World of Calm, que conta com a narração de celebridades como Kate Winslet, Keanu Reeves e Nicole Kidman. 

E se você pensa que a influência do Calmtainment se limita apenas às plataformas de streaming, você está muito enganado. No Rise Trends, nosso report de tendências do varejo, nós mostramos como a busca pelo bem-estar se reflete no ponto de venda, com experiências imersivas, sensoriais, que buscam promover uma experiência de compra relaxante e que conectam as pessoas com o momento presente. Se você ainda não leu, você pode baixá-lo clicando aqui. 

Verdade seja dita, boa parte das pessoas têm aproveitado os últimos meses para reavaliar comportamentos, buscar novos hábitos e novas experiências para o cotidiano.

Afinal, quem é que não gostaria de um pouco de calmaria em meio ao caos e à incerteza? E se podemos reproduzir essa sensação em pequenos momentos do nosso dia-a-dia para desacelerar o ritmo e encontrar o equilíbrio, melhor ainda. 

Fontes:

Wunderman Thompson – Future 100: 2021;

MindMiners – Ansiedade: Reflexões sobre o mal do século XXI;

MindMiners – Redes sociais e saúde mental;

Consumidor Moderno – Precisamos falar sobre a era da ansiedade

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relacionados

Ver todas do blog